Câmara do Porto vota entregar à FLUP acervo do poeta Eugénio de Andrade

Na proposta, a que a Lusa teve hoje acesso, o presidente da Câmara do Porto, o independente Rui Moreira, esclarece que a FLUP vai inaugurar a 01 de abril a Casa dos Livros — Centro de Estudos da Cultura em Portugal da Universidade do Porto e que, nesse âmbito, o município pretende depositar o acervo do poeta Eugénio de Andrade.

A Casa dos Livros, que será instalada na Casa Burmester, no Campo Alegre, tem como missão “acolher e proceder ao tratamento técnico de acervos documentais de interesse para a cidade e literatura portuguesas”, bem como “promover atividades de divulgação e valorização” dos acervos.

Apoiar a investigação e o estudo destes legados e iniciativas de colaboração com outras entidades da cidade e região são também objetivos deste novo centro da FLUP, que irá acolher públicos nacionais e estrangeiros que pretendam conhecer os acervos.

“A FLUP tem uma considerável tradição e reputação no que diz respeito à literatura, contribuindo para o ensino, estudo, desenvolvimento e divulgação desta área do conhecimento”, salienta o autarca, lembrando que na FLUP estão depositados acervos de escritos e intelectuais de relevo como Vasco Graça Moura, Óscar Lopes, Herberto Helder, Manuel António Pina e Albano Martins.

No âmbito do depósito do acervo do poeta Eugénio de Andrade, a FLUP fica obrigada a zelar pela conservação, acondicionamento, segurança e tratamento do mesmo.

No acesso presencial às obras a FLUP garantirá o respeito pelas regras de segurança e pela preservação de todos os exemplares.

“Todos os documentos que integram o acervo objeto do depósito deverão identificar inequivocamente a Câmara Municipal do Porto como proprietária dos mesmos”, lê-se na proposta.

A par da entrega do acervo do poeta, o executivo da Câmara do Porto vota na segunda-feira a atribuição de um apoio à FLUP no âmbito do projeto Casa dos Livros no valor de 20 mil euros anuais.

O apoio será disponibilizado durante três anos por forma a ajudar a suportar o “tratamento e disponibilização ao público de todos os fundos documentais em formato físico e digital à sua guarda”.

Leia Também: “Não é preciso ser-se poeta para escrever sobre amor: é só preciso amar”

Deixe um comentário