Celeste Amaro vai assumir programação do Convento S. Francisco em Coimbra

A atual funcionária dos quadros da Câmara de Coimbra vai assumir o cargo a partir de 01 de março, data em que termina o contrato de aquisição de serviços com a arquiteta Isabel Worm, que estava naquelas funções desde dezembro de 2017, afirmou hoje, em nota de imprensa enviada à agência Lusa, a Câmara de Coimbra, liderada por José Manuel Silva (eleito pela coligação Juntos Somos Coimbra, da qual faz parte o PSD).

Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Celeste Amaro foi a responsável da Direção Regional da Cultura do Centro (DRCC) entre 2011 e 2018, num percurso que não esteve isento de polémicas.

A antiga diretora integrou na DRCC o ex-diretor do Museu da Presidência, Diogo Gaspar, que está em julgamento a responder por 42 crimes na “Operação Cavaleiro”, e no último ano de mandato à frente da DRCC declarações suas levaram a vários pedidos de demissão por parte de agentes culturais.

Em março de 2018, numa visita a Leiria, Celeste Amaro disse que se tinha deslocado àquela cidade porque ali os agentes culturais não lhe pediam dinheiro.

Essas declarações motivaram uma petição pública assinada por realizadores, encenadores, atores, dramaturgos e produtores culturais que pediam a demissão de Celeste Amaro.

Num artigo do jornal Público sobre a na altura diretora regional, várias estruturas culturais da região Centro salientavam o desinteresse da responsável em relação ao trabalho dos agentes culturais do Centro.

Teatro Viriato, Escola da Noite e o Teatro de Montemuro, algumas das entidades mais apoiadas na região, notavam nesse artigo que não tinham memória da presença de Celeste Amaro em qualquer evento ou espetáculo organizado por estas.

Já a Câmara de Coimbra, na nota de imprensa, salienta “um notável currículo” de Celeste Amaro na área da Cultura, destacando não só a passagem pela DRCC como também pela gestão financeira do projeto Coimbra Capital Nacional da Cultura (o responsável por esse projeto, Abílio Hernández, foi um dos subscritores da petição a exigir a sua demissão da DRCC).

No passado, desempenhou também funções no gabinete do secretário de Estado da Juventude, António Couto dos Santos, em 1985, e no gabinete do ministro adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Luís Marques Mendes, em 1994.

De acordo com o município, “o modelo de gestão, bem como a restante estrutura municipal do equipamento cultural municipal mantém-se, com Filipe Carvalho a continuar a assumir a chefia da Divisão de Gestão e Programação do Convento São Francisco”.

Leia Também: Noiserv, Gisela João e Carlão atuam no Convento São Francisco em Coimbra

Deixe um comentário