Cinema de Paulo Rocha com nova retrospetiva no Japão

No dia em que se assinalam dez anos da morte de Paulo Rocha, aquela embaixada portuguesa anuncia uma retrospetiva a realizar-se no centro cultural Athénée Français, em Tóquio, de 24 de fevereiro a 04 de março.

No ciclo de cinema serão exibidas dez longas-metragens, das quais quatro serão mostradas pela primeira vez no Japão, com legendas japonesas, embora a embaixada portuguesa não tivesse revelado quais.

Paulo Rocha, considerado um dos nomes fundadores do Cinema Novo nos anos 1960, morreu a 29 de dezembro de 2012, deixando uma cinematografia composta por filmes como ‘Os Verdes Anos’ (1963), ‘Mudar de Vida’ (1966), ‘O desejado’ (1988) e ‘A raiz do coração’ (2000).

Quando morreu, Paulo Rocha tinha completado um derradeiro filme, intitulado ‘Se eu fosse ladrão… roubava’, e deixou, em testamento, toda a obra e património cinematográfico à Cinemateca Portuguesa.

Nascido a 22 de dezembro de 1935 no Porto, Paulo Rocha estudou Direito em Lisboa e Cinema em França, onde obteve um diploma de realização. Foi assistente do realizador francês Jean Renoir e também de Manoel Oliveira e dirigiu o Centro Português de Cinema, na década de 1970.

Paulo Rocha teve ainda uma relação particular com o Japão, onde foi adido cultural da embaixada portuguesa em Tóquio, entre 1979 e 1983. Durante essa temporada no Japão, concluiu o filme ‘A Ilha dos Amores’ (1982), inspirado na vida do escritor Wenceslau de Moraes.

Leia Também: Sequela de ‘Avatar’ lidera bilheteiras nos EUA no fim de semana de Natal

 

Deixe um comentário