Curta ‘Sofia’ melhor filme e melhor primeira obra do ShortCutz Ovar 2020

A cerimónia de entrega de prémios, hoje, refere-se às obras que estiveram em competição em 2020 e, como reconhece fonte oficial do certame, “acontece tardiamente” devido às “restrições impostas pela pandemia”.

Os premiados do festival de 2020 foram selecionados entre 30 ‘curtas’ a concurso e esta “é a primeira vez em quatro edições do Shortcutz Ovar que uma primeira obra recebe o principal prémio da competição”.

A escolha coube ao júri constituído pela atriz Margarida Moreira, pela realizadora Alice Guimarães e pelo encenador Leandro Ribeiro, que descrevem “Sofia” como um “único e ousado plano-sequência de dez minutos, que desdobra medos, incompreensões, preconceitos, ânsias e desejos”.

O prémio especial do júri, por sua vez, foi atribuído a “Cenas de uma Vida Amorosa”, do cineasta Miguel Afonso, e o de melhor animação coube a “Tio Tomás — A Contabilidade dos Dias”, de Regina Pessoa.

Já no que se refere à distinção decidida pelo público, a votação em sala revelou preferência por “As Extraordinárias Desventuras da Menina de Pedra”, do realizador Gabriel Abrantes.

Na edição 2020 do festival foram ainda entregues três menções honrosas: uma a “Filomena”, de Pedro Cabeleira, no âmbito da competição geral; outra a “Nestor”, de João Gonzalez, entre as curtas de animação; e a terceira a “O Peculiar Crime do Estranho Senhor Jacinto”, de Bruno Caetano, na categoria de primeiras obras.

Leia Também: Casa do Cinema traça relação criativa de Manoel de Oliveira com Agustina

Deixe um comentário