DGArtes abre candidaturas para apoio a projetos de internacionalização

 

De acordo com a página da DGArtes, as candidaturas encontram-se abertas até 22 de setembro, tendo esta linha do programa de apoio a projetos o objetivo principal de “dinamizar a internacionalização das artes e da cultura portuguesa, através da cooperação com outros países”.

O programa abrange projetos de arquitetura, artes plásticas, design, fotografia e novos media (artes visuais), circo, dança, música, ópera e teatro (artes performativas), artes de rua e cruzamento disciplinar.

Contribuir para a promoção da diversidade étnica e cultural, estimular a transição digital na área das artes, promover a acessibilidade física, social e intelectual de artistas e públicos, e incentivar o surgimento de mecanismos alternativos – presenciais, virtuais ou mistos – de apresentação de obras e projetos artísticos, são objetivos do programa, segundo a DGArtes.

“Dinamizar a arte e a cultura portuguesa em França e em Espanha é, este ano, o objetivo estratégico da presente linha de financiamento, tendo em conta o contexto propiciado pela realização da Temporada Cruzada Portugal-França e considerando a opção estratégica da política externa portuguesa que privilegia o fortalecimento das relações com os países mais próximos, no caso Espanha, no quadro do desenvolvimento das relações bilaterais”, acrescenta o organismo dependente do Ministério da Cultura.

Os projetos candidatos devem privilegiar atividades públicas e devem ser executados entre 01 de janeiro de 2022 e 30 de junho de 2023.

As candidaturas serão avaliadas por uma comissão de apreciação independente, que integra os especialistas António Caldeira Pires e Daniel Tércio.

De acordo com a declaração anual da DGArtes, o concurso deveria ter aberto até ao final de julho. Também previsto para o final desse mês e ainda por abrir está o procedimento simplificado para formação e investigação, uma linha dotada de 480 mil euros.

Esta semana abriram também os concursos do programa de apoio a projetos nos domínios da criação e edição e da programação.

Leia Também: ‘Madame Butterfly’ com Catarina Molder abre 2.º OperaFest em Lisboa

Deixe um comentário