Espaço Avenidas inaugura esta semana programa ‘Um Teatro em Cada Bairro’

Situado na Rua Alberto de Sousa, 10 A, o Espaço Avenidas é o primeiro a abrir na capital no âmbito do programa ‘Um teatro em cada bairro’, ao abrigo do qual a autarquia promete que irá nascer, em Lisboa, “uma rede de centros culturais de proximidade e de encontro das artes com as comunidades locais”, acrescenta um comunicado.

Porque os bairros “são criadores e guardiões da sua história” e cada um tem “um mundo dentro”, “inteiro para quem lá mora, e uma descoberta para quem vem de fora”, o Avenidas convidou um conjunto de artistas a trabalhar com moradores do bairro.

Em conjunto criaram obras e intervenções artísticas, mobilizando as comunidades e os moradores e que agora estão acessíveis a todos nas galerias e no exterior deste novo espaço cultural, acrescenta o texto da Câmara Municipal de Lisboa.

Oficinas com o título ‘Se te faz feliz, diz’, no sábado de manhã, a atuação da banda de sopros e percussão Farra, Fanfarra, são as primeiras propostas daquele espaço, que terá abertura oficial a meio da tarde, seguindo-se a inauguração de uma exposição de fotografia com o título ‘O meu bairro sou eu’.

‘Mural feli.cidade’, uma instalação a expor uma recolha de “reflexões de felicidade partilhadas pelos moradores do bairro” em locais como o mercado, a farmácia ou cafés, é outra das propostas para sábado, seguindo-se a leitura interpretada de ‘As presidentes’, do dramaturgo e artista plástico austríaco Werner Schwab (1958-1994), pela companhia Cepa Torta.

Cucha Carvalheiro, Filipe Abreu, Lídia Franco e Luciana Ribeiro inauguram o auditório do Avenidas com a leitura interpretada do texto “estranhamente divertido — uma comédia negra, crua e surreal”, do dramaturgo e artista plástico austríaco, num momento que faz parte do programa ‘Esta noite grita-se’.

Para a tarde de domingo, a proposta do novo espaço alia cinema e música através da exibição do documentário ‘Rock Rendez Vous — A revolução do rock’, de Ricardo Espírito Santo, sobre o “mais icónico clube de rock” do país no dia em que passam 42 anos sobre a abertura deste, acrescenta a nota da autarquia.

O documentário, um “retrato fiel das mudanças comportamentais, culturais e sociais dos anos 80”, conta com testemunhos de músicos e artistas que “marcaram a história” daquela sala localizada perto do Hospital Curry Cabral, entre os quais Zé Pedro (Xutos & Pontapés), Rui Pregal da Cunha (Heróis do Mar), Rui Veloso, Rui Reininho, Xana (Rádio Macau).

Leia Também: ‘Catarina e a beleza de matar fascistas’ vence Melhor Peça Estrangeira

Deixe um comentário