Festival de arte de rua nas aldeias de Bragança a partir de quarta-feira

O anúncio foi feito hoje pelo município de Bragança, que há cinco anos promove o Festival de Street Art – Sm’arte, que já soma cerca de 50 trabalhos de artistas de renome como Bordalo II, por toda a cidade.

Este ano, a autarquia investe dez mil euros no evento e leva o festival ao meio rural, entre quarta-feira e domingo, com intervenções previstas nas aldeias de Baçal, Deilão, Mós, Santa Comba de Rossas, São Julião de Palácios, Rebordãos e Zoio.

Conhecidas pelo seu património natural, cultural e etnográfico, estas aldeias vão transformar-se no palco de criação dos artistas locais Duarte Saraiva, Lucky Hell e Trip Dtos e do coletivo Ruído (Draw e Contra), Mário Belém, Zela e Fedor Rua Duarte.

Os locais escolhidos para as intervenções são a sede de uma Junta de Freguesia, um posto de transformação de energia, uma escola primária já desativada, um pavilhão multiúsos, a sede de uma associação e o edifício de uma antiga ordenha.

Os artistas têm liberdade de criação, como vincou hoje na apresentação do evento o presidente da Câmara, Hernâni Dias, com o município a propor que as intervenções sejam em torno do tema ‘Bragança. Naturalmente’.

A ideia, segundo o autarca, é aproveitar a campanha lançada no concelho há dois anos consecutivos para cativar turistas através dos recursos e riquezas naturais locais, muitos deles centrados no meio rural.

Estas aldeias passarão, de acordo com Hernâni Dias, a integrar o roteiro das cerca de 50 intervenções em espaço público concretizadas ao longo de quatro edições do Sm’arte.

Com a “descentralização” do Sm`arte para as aldeias, o município propõe-se “promover a coesão territorial concelhia e novas dinâmicas turísticas nas aldeias, dinamizar e promover a Rota da Terra Fria e evitar o esgotamento de espaços na cidade para este tipo de intervenções”.

Hernâni Dias acredita que a arte urbana nas aldeias promoverá um fluxo de visitantes, nomeadamente durante a realização das obras nos próximos dias para acompanhamento dos trabalhos em execução pelos artistas.

A aposta na arte urbana, com a realização do festival e as intervenções existente na cidade, levou a que Bragança passasse a integrar, desde 2018, a plataforma mundial de arte urbana (https://streetartcities.com/).

Leia Também: Três artistas vão interagir com território e população de Coimbra

Deixe um comentário