Filme ‘Suspensão’, de Luís Soares, vence Prémio Nacional de Animação

‘Suspensão’ (Portugal, 2020) apresenta-nos “um homem triste e contido, deitado na cama do seu quarto vazio”, um homem que “hesita, pondera hipóteses em ciclo sem se decidir, está preso – na exaustão todas as angústias se equivalem” e “outro homem, sentado à janela: olha-o a ele e à rua”.

São “personagens em situações interrompidas: mostram-se as posições-chave, as sequências suspensas. O homem quase se decide — e quase regressam, dentro e fora, para si e para a cidade, o tempo e o movimento”, lê-se no comunicado.

A organização indicou que nesta categoria da competição do PNA – prémio anual que tem como objetivo reconhecer, incentivar e promover as obras de animação desenvolvidas e produzidas em Portugal, por autores portugueses -, o júri, composto por Fernando Galrito, Jorge Leitão Ramos e Joana Quinn, atribuiu também duas menções honrosas, aos filmes “A Menina Parada” (Portugal, 2021), realizado por Joana Toste e produzido pela Sardinha em Lata, e “A Mulher do Médico” (Portugal, 2021), realizado por Bruno Simões e produzido pela Animanostra.

Na categoria de filmes de oficinas, o prémio foi para “Estendal”, realizado por alunos do 4.º ano da Escola Básica de Valrico, com orientação de Fernando Saraiva, no âmbito das oficinas ANILUPA da Associação de Ludotecas do Porto, que produziu o filme.

Sobre “Estendal” (Portugal, 2021), diz a Casa da Animação que se trata de um filme que “é uma alusão aos processos fabris de confeção do papel através dos tempos e divulga uma atividade industrial do concelho de Santa Maria da Feira”.

“É também uma homenagem aos trabalhadores e em especial às trabalhadoras que, numa determinada época, dependuravam as folhas de papel para a sua secagem no estendal, num esforço físico e manual constante”, indica a organização no comunicado.

O júri, constituído por David Silva, José António Cunha e Eliane Gordeeff, distinguiu ainda outros dois filmes com menções honrosas nesta categoria: “Desconstrução do Natal” (Portugal, 2021), realizado pelo Coletivo de Jovens da Escola do Cerco, com orientação de António Pinto e Paulo D’Alva e produção da Câmara Municipal do Porto, e “O Sumiço dos Sorrisos” (Portugal, 2021), realizado pelos alunos do 6.ºD da Escola EB 2/3 de Caíde-de-Rei (Lousada), com produção da Casa-Museu de Vilar.

Na competição de filmes de estudantes, o vencedor do prémio, atribuído pelo mesmo júri da categoria anterior, foi “Lascas”, realizado por Natália Azevedo Andrade, com orientação de Réka Gacs e Rita Domonyi e produção da Universidade de Arte e Design de Budapeste.

A história de “Lascas” (Hungria, 2020) centra-se em “três crianças, aborrecidas e negligenciadas [que] vivem das aventuras que criam nas suas cabeças, até que chega o dia em que tentam escapar de sua casa. A mãe, sempre atarefada, parece emocionalmente alheia ao que se passa em torno dela. À medida que as crianças crescem, e a rotina da mãe se torna cada vez mais cansativa, os segredos desta casa misteriosa tornam-se aparentes”, lê-se na sinopse do filme.

Nesta categoria, houve igualmente uma menção honrosa, para o filme “Kumaru” (Portugal, 2021), realizado por Bruno Maravilha, Patrícia Santos e Tânia Teixeira, com orientação de Pedro Serrazina e produção da Lusófona Filmes.

O prémio do público, criado para estimular a participação direta dos espetadores e calculado de entre quem adere à votação nas sessões nacionais promovidas pelos parceiros do PNA dos filmes finalistas nas três categorias (profissionais, oficinas e estudantes), foi para a obra “O Retorno das Ondas”, realizado por Francisco Moutinho de Magalhães, Manon Cansell, Alejandra Guevara Cervera, Edward Kurchevsky e Hortense Mariano, com orientação de Youngsun Lee-Tual e produção de Gobelins, L’École de L’Image.

“O Retorno das Ondas” (França, 2020) conta a história de Victor, que, “de volta à cidade que o viu crescer, encontra o local completamente congelado no tempo. Caminhando pelas ruas que sempre conheceu, é atacado por um mar de memórias ao enfrentar o que em tempos deixou para trás”, indica a organização no comunicado.

Leia Também: ‘Distopia’ de Tiago Afonso e ‘918 Nights’ vencem festival DocLisboa

Deixe um comentário