IPOR estreia festival cultural em Macau com ambiente como primeira aposta

A promoção da leitura e do livro, da cultura e da educação está na base da iniciativa, que se realiza de 02 a 25 de abril e que contempla atividades a decorrerem em várias escolas de Macau, bem como abertas a toda a comunidade.

Este ano, o tema escolhido (“De Pés na Terra, Cabeça no Ar”) recai sobre o plástico, a problemática da sua utilização na atividade humana, e o seu impacto sobre o ambiente e a ecologia mundial, de acordo com o IPOR.

Com o projeto Letras & Companhia procurou-se “a melhor maneira de formar crianças e jovens, […] numa envolvência familiar”, para além do que já é feito em contexto escolar, explicou o diretor do IPOR, Joaquim Coelho Ramos, em conferência de imprensa, salientando a importância da educação para a cidadania, assim como a capacidade de as crianças influenciarem os pais.

Por um lado, o festival vai procurar “promover competências de leitura e literacia nas faixas mais jovens, com recurso a dimensões comunicacionais e criativas da língua portuguesa”, segundo a organização.

Por outro, visa “impulsionar, junto de diferentes públicos locais, abordagens pluridisciplinares à criação cultural e artística, em particular à de matriz portuguesa e macaense”.

Finalmente, pretende-se aproximar, sobretudo os mais jovens, das artes e da produção cultural como ferramenta para a compreensão da realidade e da comunicação com os outros”.

A Fundação Oriente, o Instituto Camões, o Consulado-geral de Portugal em Macau e Hong Kong, a Casa de Portugal de Macau e a Livraria Portuguesa são parceiros do projeto “transversal e multidisciplinar, dirigido a pais, educadores, professores, crianças em idade escolar”, de forma a “mobilizar e convocar, efetivamente, todas as faixas etárias da comunidade”.

O festival, que conta com o apoio da Fundação Macau, contempla atividades como uma feira do livro, um ‘workshop’ de escrita criativa, sessões de histórias, oficinas de arte e ambientais, cinema, um espetáculo de sombras, uma exposição de fotografia, um debate, um concerto e um espetáculo de marionetas.

Leia Também: Macau apresenta-se em Hangzhou como destino seguro

Deixe um comentário