Mísia celebra carreira com álbum, livro e novo espetáculo

De acordo com a promotora da artista, o álbum “Animal Sentimental” sairá em abril pela editora alemã Galileo e conta com a participação do produtor Wolf-Dieter Karwatky.

Além do álbum, Mísia lançará um livro autobiográfico, “feito de episódios poéticos e momentos cómicos e sentimentais, de pequenas tragédias, de um caminho longo de vida que recua às memórias de infância e que, a partir de 1991, começou a ser fixado em discos”, lê-se em nota de imprensa.

A estas duas vertentes, acrescenta-se um novo espetáculo, que Mísia estreará a 27 de maio no Museu do Oriente, em Lisboa. A 19 de junho apresentar-se-á em Basileia, na Suíça.

“Animal Sentimental” terá onze músicas, com Mísia a recuperar repertório mais antigo, juntando-lhe ainda algumas versões, com direção musical e arranjos do pianista Ricardo Dias, segundo informação divulgada pela editora Galileo.

Do alinhamento fazem parte “Da vida quero os sinais”, “Valsa das sombras”, “Fado Gigante”, “As palavras vestem luto” e “Fico a cismar”, escrito por Rodrigo Leão, temas aos quais se juntam “Qué he sacado con quererte”, de Violeta Parra, e “De alguna manera”, de Luis Eduardo Aute.

Tiago Torres da Silva, Fernando Pessoa, Mário Cláudio, Natália Correia, Vasco Graça Moura e Lídia Jorge são os autores escolhidos por Mísia para “Animal Sentimental”.

Na gravação do álbum em Lisboa participaram ainda o pianista Fabrizio Romano, os guitarristas Bernardo Couto, Bruno Costa, Bernardo Viana e Luís Ferreirinha e o baixista Daniel Pinto.

Mísia, que nasceu no Porto e tem ascendência espanhola, é considerada uma das mais inovadoras vozes do fado desde os anos 1990.

A estreia discográfica aconteceu em 1991, com o álbum “Mísia”, sucedendo-lhe registo como “Garras dos sentidos” (1998), “Canto” (2003) e “Ruas” (2009).

Em 2004 foi condecorada com a Ordem das Artes e das Letras de França e no ano seguinte foi distinguida com a Ordem de Mérito da República Portuguesa.

Leia Também: Guitarrista Bernardo Couto assume “tradição fadista lisboeta”

Deixe um comentário