Município de Cantanhede vai ter Museu de Arte e Colecionismo

Em comunicado, a autarquia, no distrito de Coimbra, refere que a empreitada de reabilitação da Casa Municipal de Cultura “entrou em fase final de execução”, surgindo “um novo módulo construtivo implantado na área antes ocupada pelas antigas instalações da Escola Técnico-Profissional (ETPC)”.

“Trata-se de uma intervenção de fundo que promove a integração funcional dos dois imóveis através de uma solução arquitetónica e urbanística concebida de acordo com o preconizado no Programa Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) de Cantanhede, visando a criação de condições para a instalação do MAC, que será constituído por um valioso acervo doado ao município por Cândido Ferreira, médico e escritor natural de Febres”, lê-se na nota.

O município de Cantanhede fez ao Ministério da Cultura um pedido para “emitir um parecer sobre a viabilidade e sustentabilidade da nova unidade museológica“.

Nesse âmbito, foi realizada recentemente uma vista às futuras instalações do MAC, onde estiveram a presidente da Câmara de Cantanhede, Helena Teodósio, o colecionador e doador do espólio Cândido Ferreira, e o historiador e museólogo Fernando Batista Ferreira, especialista indicado pelo Instituto dos Museus e da Conservação.

A previsão é de que antes do final do ano seja inaugurado em Cantanhede um equipamento cultural que se pretende de referência e que, segundo Helena Teodósio, “reforçará significativamente a atratividade da cidade, do concelho e da região”.

“Trata-se de uma obra marcante ao nível da valorização de uma frente urbana com expressão assinalável numa das principais zonas nobres da cidade e esse é um aspeto que certamente a população vai valorizar bastante”, perspetiva a autarca.

Citado na nota, o colecionadorndido Ferreira afirma que é “um privilégio ter recebido da Câmara Municipal de Cantanhede as atenções que em mais lado nenhum” encontrou, esperando que o seu espólio “sirva para desenvolver” o seu concelho natal e “aumentar a autoestima e a qualidade de vida das futuras gerações”.

O historiador e museólogo Fernando Batista Pereira, no parecer preliminar que elaborou sobre a viabilidade e sustentabilidade do projeto, propõe para o MAC “a missão de tornar Cantanhede num centro de excelência e de referência nacional e internacional nos estudos sobre o colecionismo, e na salvaguarda da sua prática como dimensão cultural, educativa e lúdica”.

Deixe um comentário