Museu de Leiria estreia programa de visitas em Língua Gestual Portuguesa

Na manhã de domingo, com o técnico Mário Coelho estará a intérprete de LGP Elsa Silva, conduzindo ambos a visita ao Museu de Leiria, naquela que será a primeira iniciativa do género e que se enquadra num programa que prevê outras ações destinadas a pessoas surdas.

A celebrar 106 anos de criação e oito anos de instalação nas atuais instalações, no antigo Convento de Santo Agostinho, o Museu de Leiria avançou à agência Lusa que o objetivo é criar condições para “uma maior acessibilidade, física e intelectual, a equipamentos e projetos culturais”, incluindo “comunidades minoritárias que estejam sub-representadas no espaço público”.

A visita em LGP é mais um passo para “fomentar a participação e inclusão de toda(s) a(s) comunidade(s) nas dinâmicas e práticas culturais e artísticas em Leiria”.

Destinada a pessoas surdas e também ouvintes, a apresentação dos conteúdos do museu seguirá o percurso regular, passando pela exposição de longa duração e pela exposição temporária, “Corpus: Ritualidade, Forma e Presença”, desenvolvida em parceria com a Diocese de Leiria-Fátima.

Segundo o Museu de Leiria, está prevista a realização de mais visitas em LGP, em datas a anunciar. Estão também programadas outras ações envolvendo a tradução para LGP, nomeadamente vídeos sobre o Museu de Leiria e sobre o Centro de Diálogo Intercultural de Leiria, o livro “A criança do Lapedo” e o respetivo vídeo de apresentação a escolas.

A programação de aniversário do Museu de Leiria tem início no sábado, com uma oficina de construção de azulejos, dinamizada por Inês Bruto da Costa.

No domingo, a par da visita em LGP, há concerto integrado no ciclo “Capítulo”, com Knot 3, projeto de Selma Uamusse e Toni Fortuna, na Sala do Capítulo.

Na segunda-feira, é apresentada a performance para famílias “O rebelde do Lapedo”, por Inesa Markava e Laura Perdomo.

No dia 15, dia de aniversário do espaço cultural, há leitura encenada “Trocado por miúdos: Os pés de Iria”, por Vânia Jordão, apresentação do livro infantojuvenil “O passar do tempo”, com texto de Luís Mourão e ilustrações de Rui Pedro Lourenço, e ainda concerto comentado com a Camerata do Orfeão de Leiria.

A comemoração encerra no dia 16, com o teatro de marionetas “A casa da árvore”, por Ângela Ribeiro.

Leia Também: Câmara de Leiria atribui 819 mil euros a três IPSS para creches

Deixe um comentário