‘O cantar da pedra’ inspira exposição sonora

O Complexo Monumental de Santiago da Guarda, em Ansião, recebe o primeiro momento de ‘O cantar da pedra’, que nasce do trabalho de campo realizado nas três residências artísticas que a associação desenvolveu naqueles concelhos, entre junho e setembro, a convite do projeto ‘Territórios de Pedra’.

Durante o verão, a equipa da Binaural Nodar recolheu entrevistas, paisagens sonoras e protagonizou intervenções acústicas na própria pedra. Desses registos surge um arquivo digital online com 60 entradas – 20 por município – que é partilhado também na exposição, onde se ergue ainda uma instalação sonora da autoria de Luís Costa e João Farelo, uma intervenção plástica de Mónica Garcia e um conjunto de painéis desenhados por Liliana Silva. No mapeamento sonoro participou também Nely Ferreira.

“Queremos transmitir como uma temática aparentemente simples de ser definida, como a pedra, pode ter uma multiplicidade de camadas de compreensão e discussão. Esse é o ponto fundamental deste projeto”, explicou à agência Lusa Luís Costa, diretor artístico do projeto que explora as dimensões etnográfica, económica, artística e, claro, geológica desta matéria-prima.

‘O cantar da pedra’ vai buscar o nome às capacidades de pedreiros e canteiros, que “conhecem a pedra pelo seu ‘cantar'” consoante “o som que emana dela em função do sítio onde se bate”, contou Luís Costa.

Por estas geografias, a pedra que mais canta é o calcário da serra do Sicó, “mas na zona de Figueiró dos Vinhos o xisto começa também a aparecer”.

Entre municípios vizinhos, a Binaural Nodar detetou diferenças entre Pombal, “um concelho grande que tem uma ponta que chega ao oceano”, que se liga pelo Sicó a Ansião, “onde começam a entrar os moinhos de vento, que também têm pedras nas mós e que rodam”, até chegar a Figueiró dos Vinhos, cuja paisagem “não é tão suave”, marcada por “muita água ligada às pedras e as fragas”. 

“A nível sociológico há também muitas diferenças”, nota o diretor artístico, e os registos de ‘O cantar da pedra’ refletem um “Pombal densamente povoado, com empresas de brita, camiões e muitos trabalhadores”, enquanto, por exemplo, ao invés, “o concelho de Figueiró tem uma população mais reduzida e dispersa, com muitos estrangeiros e casas renovadas”.

Para Luís Costa, a exposição e o arquivo digital ‘online’ trazem uma “multiplicidade de formas de entender e compreender, quer a memória, quer os aspetos sensíveis deste território, a partir desta temática”: a pedra.

Depois do Complexo Monumental de Santiago da Guarda no sábado, ‘O cantar da pedra’ estará no Museu e Centro de Artes de Figueiró dos Vinhos entre 26 de novembro e 07 de dezembro. Entre 10 e 27 de dezembro, o projeto é apresentado na galeria do Teatro-Cine de Pombal. A partir de 12 de novembro os 60 registos ficam acessíveis ‘online’ em www.cantardapedra.org.

Leia Também: Câmara de Ansião mantém taxa mínima de IMI e torna a não lançar Derrama

Deixe um comentário