Organização de Vilar de Mouros assume reembolso por concerto cancelado

Em causa está a atuação dos Limp Bizkit no festival de Vilar de Mouros, no distrito de Viana do Castelo, que estava prevista para o passado dia 26 de agosto e foi cancelada pela banda norte-americana.

A edição 2022 do festival decorreu entre os dias 25 a 27 de agosto e, segundo a organização, cumpriu o objetivo de atingir 60 mil festivaleiros nos três dias, regressando em 2023 num dos dois últimos fins de semana de agosto.

Em comunicado hoje enviado às redações, a organização do histórico festival de música explicou que todos os portadores do bilhete daquele dia “puderam optar pela sua devolução e consequente reembolso”, processo que “correu pelo melhor com a Ticketline”, não tendo o mesmo acontecido com o Festicket que, “entrou em insolvência”.

“Fomos confrontados com a falta de pagamento por parte da Festicket. Após vários contactos no sentido de ser encontrada uma solução para esta situação incómoda e inusitada, recebemos a confirmação de que a Festicket entrou em insolvência e que, devido a essa situação, foram protelados todos os pagamentos para data futura”, refere a nota.

A organização do festival adiantou que “embora os bilhetes tenham sido comprados à Festicket, que seria a única responsável pela devolução do valor”, não pode aceitar que o público “seja lesado”.

Nesse sentido, vai “avançar, imediatamente, com os procedimentos adequados para garantir os reembolsos com a maior celeridade possível, assumindo todos os pagamentos devidos, ainda que a receita da bilheteira não tenha chegado”.

As pessoas que “preencheram o formulário da Festicket para devolução do valor do bilhete deverão contactar a organização do festival através do endereço eletrónico reembolso.festicket@gmail”.

Devem indicar o nome completo, número do cartão de cidadão, endereço eletrónico fornecido à Festicket para a compra do bilhete, uma cópia do bilhete (ou bilhetes) de dia 26 de agosto, com prova de pagamento, uma cópia do formulário enviado à Festicket com pedido de devolução e o respetivo número de conta bancária.

“Embora seja uma situação que nos ultrapassa, pedimos desculpa por eventuais incómodos que esta demora tenha causado. E vamos, seguramente, resolver este assunto da melhor forma”, refere a organização do festival de Vilar de Mouros.

O primeiro festival de música do país, que ainda hoje goza da fama do “Woodstock à portuguesa”, aconteceu em 1971, em Vilar de Mouros, tendo sofrido um interregno de oito anos, entre 2006 e 2014.

Como tantos outros festivais de música em Portugal, o Vilar de Mouros não se realizou em 2020 e 2021, devido às restrições impostas para combater a pandemia da covid-19.

A 1.ª edição de 1971, lançada pelo médico António Barge, contou com a presença, entre outros, de Elton John e Manfred Mann.

Leia Também: ‘Last Things’ de Deborah Stratman na programação do Festival de Berlim

Deixe um comentário