Peça que aborda guerra e violência contra mulheres estreia em Vila Real

A nova criação da companhia de teatro, sediada em Vila Real, tem estreia marcada para o Dia Internacional da Mulher e está inserido no projeto Lua Cheia – Arte na Aldeia, que promove espetáculos em todas as noites de lua cheia.

Segundo explica a Peripécia, em comunicado, o novo espetáculo narra as histórias ‘Guerra’ e ‘Ricocó’ da autora Júlia Ribeiro e “levantam a discussão de dois temas da atualidade: a guerra e a violência contra as mulheres”.

Interpretado por Patrícia Ferreira e com música ao vivo de Rui Fernandes, ‘Conto Contigo – Contos de Mulheres’ tem como encenador Luís Blat e é uma coprodução da Peripécia Teatro, Espaço Miguel Torga e do município de Sabrosa.

O espetáculo, que “está na fronteira da narração com a representação teatral”, pretende “manter uma relação de proximidade entre a atriz e o espetador”.

A companhia disse ainda que esta criação “nasceu da vontade de dar mais atenção à visão narrativa das escritoras do norte de Portugal, muitas vezes ignoradas e esquecidas, que apresentam histórias contadas com talento e originalidade”.

O espetáculo que tem estreia marcada para a sala Peripécia, no Centro Cultural e Recreativo de Benagouro, em Vila Real, repete-se na quinta e sexta-feira.

A sessão de quinta-feira irá ter tradução para língua gestual portuguesa e adaptações para que o público invisual consiga desfrutar totalmente do espetáculo.

Já no dia a seguir, os espetadores poderão contar com serviço de ‘babysitting’, resultado de uma parceria entre a companhia, a Associação Brincar e a Associação Cultural e Recreativa Camilo Castelo Branco.

O projeto Lua Cheia – Arte na Aldeia, iniciativa promovida pela Peripécia Teatro desde 2014, irá apresentar espetáculo todos os meses, em todas as noites de lua cheia.

Serão, no total, 17 apresentações, de 11 espetáculos diferentes, ao longo do ano, que querem “colocar a arte em diálogo com o território e as pessoas que lhe estão mais próximas”.

Leia Também: Lisboa. Peça de Sarah Kane expõe espetro da violência ampliado por guerra

Deixe um comentário