Queer Porto. Filme ‘La dernière séance’ conquista prémio principal

O júri, composto pelo jornalista e ativista Cy Lecerf Maulpoix, a produtora Isabel Roma, e o realizador João Vladimiro, sublinhou “a estética delicada que encaminha, através de várias camadas, onde se convocam memória, fragilidade, vida, amor e perda”.

Nesta categoria da competição oficial, também receberam menção especial os filmes “Rua dos Anjos” (Portugal, 2022), da realizadora Renata Ferraz e Maria Roxo, que durante vinte anos viveu de trabalho sexual, tendo recebido ainda o Prémio do Público.

O palmarés da 8.ª edição do festival foi anunciado numa cerimónia de encerramento decorrida no pequeno auditório do Teatro Rivoli, com a entrega dos prémios da competição oficial e do Prémio Casa Comum.

No Prémio Casa Comum, o Melhor Filme foi para ‘João Gabriel – The Last Day of Summer’, de Bernardo Nabais (Portugal, 2021), por, segundo o júri, “apresentar um trabalho notável sobre a criação de espaços seguros para adolescentes que se identificam de forma não-binária, e por sublinharem os efeitos do isolamento social no contexto da pandemia e a importância das comunidades queer”.

Também apontou a importância de “desenvolverem uma linguagem estética que alia o virtual ao real, aproximando-se assim do quotidiano das pessoas retratadas”.

O júri foi composto pela investigadora Joana Caetano, o realizador José Paulo Santos, e o performer e livreiro Paulo Brás, atribuindo ainda uma menção especial a ‘Aos Dezasseis’, de Carlos Lobo (Portugal), “pela linguagem estética cândida, sem subterfúgios ou excessos, e pela intensidade da protagonista e do restante elenco”.

Segundo um comunicado da organização, a 8.ª edição do Queer Porto ficou marcada por um programa com grande afluência de público quer na Casa Comum, na Reitoria da Universidade do Porto, onde se refletiu sobre o pensamento ´ecoqueer´ entre filmes e conversas, nas competições que tiveram lugar no Teatro Rivoli e nas sessões especiais no Teatro Helena Sá e Costa e no espaço Maus Hábitos.

A próxima edição do Queer Porto irá decorrer em outubro de 2023 no renovado Cinema Batalha, indicou ainda a organização.

Cerca de uma dezena de filmes portugueses, entre os quais ‘Tornar-se um homem na Idade Média’ passaram no festival Queer Porto, que começou no dia 29 de novembro.

Para o Prémio Casa Comum tinham sido selecionadas oito curtas-metragens, entre as quais ‘Tornar-se um homem na Idade Média’, de Pedro Neves Marques, ‘Um caroço de abacate’, de Ary Zara, ‘Aos dezasseis’, de Carlos Lobo, e ‘Azul’, de Ágata de Pinho, todos já apresentados em festivais internacionais.

Na secção ‘Queer Focus’, voltou a abordar a temática da ecosexualidade, “sobre as questões queer contemporâneas na sua relação com a natureza”, que já tinha sido tema levado pelo Festival Queer este ano a Nice, no âmbito da Temporada Cruzada Portugal-França.

No festival foi exibido o documentário brasileiro ‘Máquina do Desejo – 60 anos do Teatro Oficina’, de Joaquim Castro e Lucas Weglinski, contando com uma conversa com este último realizador.

A sessão de encerramento do Queer Porto exibiu o filme ‘Les amours d’Anaïs’, de Charline Bourgeois-Tacquet, protagonizado por Valeria Bruni Tedeschi.

Leia Também: Festival Queer Porto conta com cerca de uma dezena de filmes portugueses

Deixe um comentário