Relação tóxica de um casal no centro de espetáculo do Aquilo Teatro

 

Nos dias 17 e 18 de dezembro, o Teatro Municipal da Guarda acolherá o espetáculo “Ignis”, uma adaptação do texto do dramaturgo britânico Harold Pinter “Ashes to Ashes” (1996), escolhido pela companhia pelo desafio que representa.

O Aquilo Teatro explica que, durante o espetáculo, a relação tóxica do casal “é colocada numa atmosfera árida e devastada, onde a única coisa que cresce é a incerteza entre eles”.

O trabalho de Harold Pinter caracteriza-se pela forte componente política na sua linguagem literária, tendo o encenador Vitor Freitas procurado “pegar numa estrutura convencional de teatro e fazer uma adaptação” para a linguagem artística contemporânea.

“Colocando um casal numa atmosfera de devastação e reduzindo-os à sua própria solidão, construímos uma imagem alegórica que nos leva à parte mais sombria dos recantos pessoais”, explica Vitor Freitas.

Segundo o encenador, “os silêncios como forma de desacordo e o fracasso na transmissão de ideias criam um ambiente de tensão, quase absurdo, no meio do quotidiano deste tóxico casal”.

“A memória surge como fragmentos de um passado difuso e é utilizada pelas personagens como forma de questionar a linha entre a realidade e o sonho”, acrescenta.

Os criadores consideram que as cidades de Viseu e da Guarda foram essenciais no processo: “Trabalhar num território descentralizado, e em específico num espaço como o Aquilo Teatro, é um privilégio. Aqui encontramos a calma e o tempo necessário para a criação artística”.

Coproduzido com o Teatro Municipal da Guarda, “Ignis” conta com encenação de Vitor Freitas, interpretação de Gabriel Gomes e Marta Caeiro e música ao vivo de Leonardo Outeiro.

 

Leia Também: Estatuto. Ministra rejeita críticas e lembra dificuldades

Deixe um comentário