Romance ‘Hamnet’, de Maggie O’Farrell vence o National Book Award

 

‘Hamnet’ narra uma história num tempo de pandemia, semelhante ao que atualmente o mundo vive, e explora o impacto da doença e morte do menino na família do dramaturgo inglês. A criança era o único filho de William Shakespeare (1564-1616), e os estudiosos há muito especulam sobre sua influência – se houver alguma — sobre a peça ‘Hamlet’, na qual Shakespeare trabalhou nos anos que se seguiram à morte do filho Hamnet.

O livro ‘Island on Fire: The Revolt That Ended Slavery in the British Empire’ (‘Ilha em Chamas: A Revolta que acabou com a Escravidão no Império Britânico’, em tradução livre), de Tom Zoellner, venceu na categoria de não-ficção, e ‘Stranger in the Shogun’s City: A Japanese Woman and Her World’ (‘Estranha numa cidade de Shoguns: Uma mulher japonesa e seu mundo’, tradução livre) , de Amy Stanley, venceu na categoria de biografia.

O prémio en autobiografia foi para escritora norte-americana Cathy Park Hong, de 44 anoa, por ‘Minor Feelings: An Asian American Reckoning’ (‘Sentimentos Menores: Um Processo Asiático-Americano’, tradução livre).

Os Outros vencedores anunciados durante a cerimónia virtual realizada na quinta-feira à noite foram Ffrancine J. Harris com ‘Here Is the Sweet Hand’, em poesia, e Nicole Fleetwood com ‘Marking Time: Art in the Age of Mass Encarceration’, na categoria de crítica. Raven Leilani recebeu o Prémio John Leonard de melhor primeiro livro pelo seu romance ‘Lustre’.

Os prémios de carreira foram entregues à escritora da revista ‘New Republic’, Jo Livingstone, por ‘excelência em revisão’, e à editora Feminist Press, pela sua longa história na defesa da igualdade das mulheres, publicando autores que vão de Grace Paley a Anita Hill e Pussy Riot.

Os prémios são atribuídos pelo Círculo de Críticos de Livros, fundado em 1974 e que conta com centenas de membros em todo o país.

Os prémios deste ano são os primeiros desde a saída de vários membros do conselho do círculo no verão passado, após um debate obre a resposta da organização ao assassinato de George Floyd e aos protestos ‘Black Lives Matters’.

A atual liderança trouxe novos membros e convenceu alguns que tinham saído a regressar, resultando, de acordo com o círculo de críticos, no ‘conselho mais diverso da história do círculo e um dos mais experientes’.

Leia Também: Setor livreiro perdeu 35 milhões de euros desde início da pandemia

Deixe um comentário