Seniores de Reguengos de Monsaraz ‘brilham’ em exposição de retratos

Intitulada “Retratos de Reguengos”, a mostra, com fotografias da autoria de José Miguel Soares, vai ser inaugurada, no sábado, às 11:00, na Galeria de Arte da Igreja de Santiago, em Monsaraz, neste concelho alentejano.

Esta exposição, que fica patente até 23 de janeiro, é promovida pela Malvada Associação Artística e está integrada no projeto “Topofilias”, que também foi realizado nos concelhos de Alandroal, Borba, Estremoz e Évora.

Em Reguengos de Monsaraz, adiantou a Malvada, o “processo criativo e de inclusão com seniores” decorreu, para além da sede de concelho, em Barrada, Monsaraz, São Pedro do Corval, Santo António do Baldio, Telheiro e Motrinos.

A par dos registos fotográficos e dos retratos feitos no espaço público, nas casas dos habitantes ou nos seus locais de trabalho, foram também realizadas sessões de estúdio em lugares como a praia, o pavilhão gimnodesportivo e jardins.

Segundo os promotores, devido à pandemia de covid-19, os grupos de seniores que participaram na iniciativa viram as suas “atividades interrompidas” e a “socialização constrangida”, durante “um longo período”.

“A realização destas sessões de partilha, de mapeamento e de retrato marcou, em muitos casos, o retomar das atividades e o encontro entre membros de um grupo, vizinhos e familiares”, adiantou.

Durante o processo, foi desenvolvido com os participantes “o exercício da memória”, no qual se “incentivou o ato de recordar e de estabelecer conexões, a aproximação e a partilha através da fotografia”, realçou a Malvada.

Iniciado em julho 2020, o projeto “Topofilias” está incluído no Transforma – Programa para uma Cultura Inclusiva do Alentejo Central, promovido pela Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC) e apoiado pelas câmaras municipais.

Com criação e direção artística de Ana Luena e José Miguel Soares, o projeto “envolve a população excluída por envelhecimento e isolamento e tem como foco o espaço e o lugar praticado e vivido, como forma de recuperar e produzir memória”.

“Explora-se o conceito de topofilia, o elo afetivo entre a pessoa e o lugar ou o meio ambiente, uma associação que promove a ideia de pertença e de identidade cultural”, acrescentou.

Esta é a segunda de cinco exposições fotográficas do “Topofilias” a ser inaugurada, depois da abertura de uma mostra do projeto em Borba.

As restantes vão ser apresentadas, até dezembro deste ano, nos respetivos concelhos.

Leia Também: Casa do Cinema traça relação criativa de Manoel de Oliveira com Agustina

Deixe um comentário