‘A Flor do Buriti’ de Renée Nader Messora e Salaviza premiado em Munique

O prémio CineVision, pelo qual competiam 12 longas-metragens, distingue “talentos internacionais da realização que inovam pela sua linguagem cinematográfica”, sublinha a produtora portuguesa do filme, O Som e a Fúria.

O filme ‘A Flor do Buriti’ foi premiado em Munique depois de, no passado mês de maio, ter recebido o prémio de Melhor Equipa, na secção ‘Un Certain Regard’ do Festival de Cinema de Cannes, que distinguiu assim ambos os realizadores e também o povo Krahô, do Brasil, que protagoniza a obra.

O festival de Munique, que teve início no passado dia 23 e encerra hoje, distinguiu com o prémio de melhor longa-metragem o filme ‘Four Daughters’, de Kaouther Ben Hania, seguindo-se, no palmarés, o prémio CineVision, atribuído a ‘A Flor do Buriti’, e o prémio da Federação Internacional de Críticos de Cinema (Fipresci), dado a ‘Fossil’, de Hennning Backhoff.

O prémio da secção CineRebels foi para ‘Omen’, de Baloji, que este ano também recebeu o prémio de novos valores da secção ‘Un Certain Regard’, em Cannes, e o Prémio do Público de Munique foi para ‘Fallen Leaves’, de Aki Kaurismäki.

‘A Flor do Buriti’ foi rodado com o povo Krahô, do Brasil, na terra indígena Kraholândia, onde ambos os realizadores já tinham feito ‘Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos’, igualmente premiado em Cannes, em 2019.

Em maio, o Festival de Cannes sublinhou que este filme presta um “extraordinário tributo à capacidade de resiliência daquele povo indígena e à luta pela liberdade”, enquanto o jornal Le Monde destacou a “grande magia poética” da obra.

O nome do filme faz referência à flor do buriti, um tipo de palmeira selvagem que cresce no Brasil, e que se encontra no meio da comunidade Krahô.

‘A Flor do Buriti’ tem estreia comercial prevista, em Portugal, para 14 de março de 2024.

Leia Também: BD ‘As muitas mortes de Laila Starr’ capta “um espírito do tempo”

Deixe um comentário