Casa da Música lembra "exemplo raro de serviço e amor à música"

 

“Foi uma figura assídua nos concertos e recitais da Casa da Música, projeto que sempre acarinhou”, afirmou, em comunicado a instituição portuense, recordando que Madalena Sá e Costa fez parte do júri do Prémio Internacional Suggia e foi homenageada publicamente no âmbito de um dos concertos da Orquestra Sinfónica do Porto/Casa da Música no Festival Suggia.

Nascida no Porto em 20 de novembro de 1915, Madalena Sá e Costa estreou-se aos 19 anos no Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa. Foi professora no Conservatório de Música do Porto e no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, em Braga, onde formou dezenas de gerações de músicos.

Ao longo de uma carreira em que trabalhou com maestros como Pedro de Freitas Branco ou Frederico de Freitas, Madalena Sá e Costa recebeu, entre outros, os prémios Orpheon Portuense (1939), Emissora Nacional (1943), Morrisson, da Fundação Harriet Cohen (1958), Guilhermina Suggia/Secretariado Nacional de Informação (SNI), em 1966.

“Foi com profundo pesar que a Casa da Música recebeu a notícia do falecimento da insigne violoncelista Madalena Sá e Costa”, lê-se no mesmo comunicado que referencia a sua “atividade marcante na cidade Invicta através da ação do Orpheon Portuense”.

A violoncelista e pedagoga Madalena Sá e Costa morreu durante a madrugada de hoje, aos 106 anos, vítima de uma infeção pulmonar, disse à Lusa a filha da artista.

Segundo Helena Araújo, filha da violoncelista, Madalena Sá e Costa foi diagnosticada há poucos dias com uma infeção pulmonar e “morreu serenamente”, em casa, durante a madrugada de hoje.

O funeral acontece na terça-feira, às 15:00, na Igreja de Cedofeita, no Porto, e o corpo será sepultado no Cemitério de Agramonte, ao lado da irmã, a pianista Helena Sá e Costa (1913-2006).

Leia Também: Violoncelista e pedagoga Madalena Sá e Costa morre aos 106 anos

Deixe um comentário