Centro histórico de Viseu e uma aldeia recebem cinema ao ar livre

Segundo um dos responsáveis do Cine Clube de Viseu, a ida a Nogueira de Côta surge no âmbito da descentralização que a instituição tem feito ao longo dos anos em várias atividades e, agora também, nos ciclos de cinema.

Rodrigo Francisco adiantou à agência Lusa que o cinema ao ar livre no centro histórico tem deixado os elementos da direção “muito satisfeitos, mas havia este desafio de levar o projeto a uma aldeia, pelo menos uma sessão”.

Este ano, o Cine Clube de Viseu sentiu que “seria uma boa provocação ter um ciclo de cinema que se intitula de ‘cinema na cidade’ e depois apresentar filmes em lugares tão díspares, ou seja, sem qualquer distinção”.

O cinema vai até esta localidade no dia 30 de julho e “funciona como que um pontapé de saída para as festividades locais que começam no dia 31 e acontecem durante uma semana”.

No Parque de Merendas de Nogueira de Côta, na freguesia de Côta, será exibido “O Circo”, de Charlie Chaplin, e a curta-metragem “O homem do lixo”, de Laura Gonçalves.

A partir do dia 24, a praça D. Duarte exibe “O gato das botas: o último desejo”, de J. Crawford e J. Mercado; “A cerejeira mágica”, das Escolas de Viseu; “Estrada fora”, de Panah Panahi; “Ice merchants”, de João González, e “Asteroid city”, de Wes Anderson.

No dia 27, o cinema será no Museu Grão Vasco, com “Yoon”, de Ricardo Falcão e Pedro Neto; “The last picture show”, de Bogdanovich Peter, e ainda “Um lugar à beira-mar”, de Takeshi Kitano”, na noite do dia 29.

Leia Também: Exposição na Casa das Histórias revela processo criativo de Paula Rego

Deixe um comentário