Comédia com atores amadores "Quem matou Laura Paula" chega ao cinema

Os promotores do projeto referiram, em comunicado, que a longa-metragem resulta do trabalho de 50 pessoas de Vila Real, que se juntaram depois de um desafiado lançado por Carlos Morais, e que o projeto contou com a participação do ator profissional Carlos Areia.

O filme foi rodado em Trás-os-Montes, Alto Douro e Beira Alta e é uma comédia de ficção sobre a investigação do ex-agente da PSP, agora na reforma, o senhor Tó Manel, sobre a freira Laura Paula que aparece misteriosamente morta no fundo de uma ravina, com um cabo de cebolas enrolado no pescoço.

De acordo com o guião, Tó Manel é “conhecido nos meandros do crime como o ‘Poirot’ do Marco de Canaveses”.

Segundo a explicação dos responsáveis pela obra, o filme é uma “paródia, com muita gente suspeita e muita confusão à mistura: a família aristocrata falida do Douro, os parolos da Quinta da Casa Velha, o Castelo do Reino da Penys Silvânia, o desesperado por sexo e claro, o Sagrado Convento de Queijo Flamengo, onde tudo acontece”.

Fonte dos cinemas NOS confirmou à agência Lusa que a estreia está marcada para 02 de março, em oito salas de cinema de todo o país.

A produção portuguesa poderá ser vista nos cinemas Alvaláxia, em Lisboa, Glicínias, em Aveiro, Braga, Alma Coimbra, Parque Nascente, em Rio Tinto, Palácio do Gelo, em Viseu, Nosso Shopping, em Vila Real, e Foz Plaza, na Figueira da Foz.

A ideia de fazer uma longa-metragem partiu de Carlos Morais, que se inspirou na série “Twin Peaks” e no mistério sobre “quem matou Laura Palmer”, escreveu o guião e interpreta várias personagens.

Carlos Morais, que todos os anos organiza um espetáculo de humor em Vila Real, lançou o desafio de fazer o filme e juntou um grupo de 50 pessoas e o projeto contou com o apoio do Compete 2020, através do Programa Garantir Cultura.

A realização amadora recorreu, de acordo com o comunicado, ao uso de bigodes postiços e dentes pintados de preto, e contou com um elenco que só se conseguia juntar aos fins de semana ou ao final do dia.

“Foi uma diversão com dificuldades acrescidas, mas também uma forma de mostrar que a partir de uma região do Interior se consegue chegar longe”, é ainda salientado.

O projeto foi levado a cabo com a realização de João Capela e pela produtora audiovisual Recordplatform, de Viseu.

A antestreia do filme aconteceu em maio, no Teatro Municipal de Vila Real, e já passou por alguns cineteatros da região.

Leia Também: “Ainda não acabei”. Spielberg promete ultrapassar Manoel de Oliveira

Deixe um comentário