Exposição reúne livros de autores proibidos pela ditadura e pelo nazismo

 

Da instalação, que surge no contexto da programação cultural da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia na Alemanha, fazem parte livros de autores proibidos e perseguidos como Anna Seghers, Alfred Döblin, Bertolt Brecht, Heinrich Heine, Herberto Helder, José Cardoso Pires, Judith Teixeira, Maria Teresa Horta, Maria Velho da Costa e Maria Isabel Barreno, Natália Correia, Rosa Luxemburgo e Vergílio Ferreira, entre outros, uns proibidos e perseguidos pela censura da ditadura portuguesa, outros, pelo regime nazi.

Num comunicado, enviado à agência Lusa pelo Camões Berlim, pode ler-se que, através deste projeto, se convocam “dois momentos do século XX, da história da Alemanha e da história de Portugal: em 1933, na Alemanha, a queima dos livros e, em Portugal, a instauração da censura prévia”.

A iniciativa, integrada na programação proposta pela comissária do projeto “Portugal País Convidado da feira do Livro de Leipzig”, Patrícia Severino, propõe “um diálogo entre o memorial do artista israelita Micha Ulman — a biblioteca vazia subterrânea — e a cabine cheia de livros censurados durante a ditadura portuguesa, e queimados pelo regime nazi na Alemanha”, destaca o documento.

No chão da Bebelplatz, chamada anteriormente Opernplatz, pode ver-se a biblioteca vazia subterrânea, exposta através de um vidro, com várias estantes brancas e vazias, onde caberiam 20 mil livros. Duas placas de ferro recordam o que aconteceu em 1933, já com Adolf Hitler no poder.

Está também uma citação de Heinrich Heine, retirada da tragédia “Almansor”, escrita em 1820, onde se pode ler: “Isto foi apenas um prelúdio — onde se queimam livros, acabarão por se queimar também pessoas”.

Em 2022, Portugal irá apresentar-se como País Convidado da Feira do Livro de Leipzig, sob o mote “O Encontro Inesperado do Diverso”.

Recorda o comunicado que a escritora portuguesa Maria Gabriela Llansol estabeleceu uma ponte entre Lisboa e Leipzig, no seu livro “Lisboaleipzig”, convocando um encontro entre Fernando Pessoa e Johann Sebastian Bach.

“Um encontro inesperado de duas figuras da cultura portuguesa e alemã — da cultura europeia”, adianta o comunicado, que “também aqui se encontram, num ato de celebração da literatura e da liberdade de expressão e pensamento”.

Depois de passar pela Bebelplatz, a instalação, promovida pela Embaixada de Portugal na Alemanha e pelo Camões Berlim, ficará em exposição no pátio exterior da Biblioteca da capital alemã, na Avenida Unter den Linden, até ao dia 30 de junho.

Leia Também: ‘As 7 Mulheres do Minho’ junta artistas à luta de Maria da Fonte

Deixe um comentário