Fatura de energia é mote para espetáculo de teatro na Lousã

A peça ‘O último que acenda a luz’, é a 49.ª produção da Encerrado para Obras – Associação Cultural e Artística, uma companhia profissional de teatro e música localizada em Casal de Ermio, no município da Lousã.

Em nota de imprensa enviada à agência Lusa, a companhia explicou que a peça “aborda de forma prática e lúdica a temática da energia” e é direcionada à infância e juventude.

De acordo com o comunicado, o espetáculo baseia-se “nas linguagens universais do gesto, do ‘clown’, da música e do teatro do objeto” e promete “muitas surpresas, muito humor e elevado grau de interação com o público, elementos que conferem à peça um grande dinamismo”.

Em cena estará o “divertido” casal Maria da Luz e Tó Engenhocas, acompanhado da sua filha bebé Sol: “confrontada com o aumento exponencial da fatura da energia, a família não consegue pagar a conta ficando assim sem eletricidade e sem gás”, relatou a companhia teatral, explicando que o “inventivo” pai vê-se obrigado a encontrar fontes de energia alternativas.

A Encerrado para Obras adiantou que a peça promove “um intercâmbio entre teatro e ciência” colocando em palco máquinas de cena “capazes de produzir energia elétrica” ao vivo.

Entre estas, a companhia destacou um tandem de três lugares a que deu o nome de “biciclética”, considerada uma bicicleta “muito sui generis, que constitui o principal aparato cénico” do espetáculo.

“Para além de cumprir a sua função essencial, a de meio de transporte, esta engenhoca, composta por cinco rodas, cinco cremalheiras e seis pedais, incorpora vários sistemas movidos a pedal”, como uma liquidificadora, uma máquina de lavar ou uma ventoinha, vincou o grupo teatral.

Com encenação de David Cruz, o espetáculo integra outras fontes de energia renovável, com destaque para a energia solar.

“Com este projeto, a companhia procura, por um lado, incentivar os jovens a ampliarem os seus conhecimentos na área da energia, mas acima de tudo, sensibilizá-los para a urgente necessidade de racionalização dos recursos energéticos num mundo em que os combustíveis fósseis são cada vez mais escassos”, argumentou a Encerrado para Obras.

Cofinanciado pelo ministério da Cultura através da DGARTES, ‘O último que acenda a luz’ tem estreia agendada para dia 26, pelas 16:30, no Clube Recreativo Vilarinhense, no concelho da Lousã.

Leia Também: Prémio revelação é “um reconhecimento do trabalho”, diz Pedro Azevedo

Deixe um comentário