Filmes de Cronenberg e Serebrennikov no festival de Cannes

A competição oficial contará com 18 longas-metragens, entre as quais “Crimes of the future”, do canadiano David Cronenberg, e que conta com o ator luso-guineense Welket Bungué, ao lado de Viggo Mortensen, Léa Seydoux, Kristen Stewart, entre outros.

Na competição pela Palma de Ouro em Cannes estarão também filmes de três mulheres: as francesas Claire Denis e Valeria Bruni Tedeschi, com “Stars at noon” e “Les Amandiers”, respetivamente, e a norte-americana Kelly Reichardt, com “Showing up”.

Cannes escolheu ainda, para a competição oficial, “Triangle of sadness”, do sueco Ruben Ostlund, que em 2017 venceu a Palma de Ouro com “O quadrado”, e “Tchaikovski’s wife”, filme do dissidente russo Kirill Serebrennikov, atualmente a viver em Berlim, depois de ter sido autorizado a sair da Rússia.

“Armageddon Time”, do norte-americano James Gray – quatro vezes nomeado para a Palma de Ouro -, e “Decision to leave”, do sul-coreano Park Chan-Wook, prémio do júri com “Oldboy” (2003), também estarão na competição de Cannes.

O Festival de Cannes cumprirá a 75.ª edição de 17 a 28 de maio, abrindo com “Z (comme Z)”, uma comédia de Michel Hazanavicius, e com várias sessões especiais, entre as quais do filme “The natural history of destruction”, nova obra do ucraniano Sergei Loznitsa que aborda a história recente da Europa no século XX, em particular no pós-Segunda Guerra Mundial.

Fora de competição estarão também “Jerry Lee Lewis: Trouble in Mind”, documentário do norte-americano Ethan Coen sobre um dos pioneiros do rock n’roll, atualmente com 85 anos; o já anunciado “Elvis”, do australiano Baz Luhrmann, e “Three thousand years of longing”, do conterrâneo George Miller.

Cannes já tinha anunciado anteriormente que o ator norte-americano Tom Cruise seria um dos homenageados desta edição, com a estreia de “Top Gun: Maverick”, de Joseph Kosinski.

Na secção “Un Certain Regard” estarão 15 filmes, entre os quais oito primeiras obras, como “Les Pires”, de Lise Akoka e Romane Gueret, e “Metronom”, de Alexandru Belc, aos quais se juntam “Domingo y la niebla”, segundo filme de Ariel Escalante Meza, e um filme, ainda sem título, de Gina Gammell e Riley Keough, neta de Elvis Presley.

A conferência de imprensa de anúncio da programação foi conduzida pelo delegado-geral do festival, Thierry Frémaux, e também por Pierre Lescure, na sua última apresentação do festival enquanto presidente, cargo que deixará a 01 de julho.

Lescure dará o lugar à executiva alemã Iris Knobloch, eleita em março presidente do Festival de Cinema de Cannes, sendo a primeira mulher a consegui-lo em mais de 70 anos de história do festival francês.

Na apresentação do programa, Thierry Frémaux afirmou que, mesmo num contexto europeu atual de guerra, pela invasão russa da Ucrânia, a direção quer celebrar as 75 edições do festival, depois de dois anos marcados pela pandemia, mas também refletir sobre o papel do evento no panorama do cinema.

Leia Também: Os filmes mais controversos da última década

Deixe um comentário