FIMUV regressa à Feira com Sara Correia, Burmester e mais 12 projetos

Até ao dia 29, o certame do distrito de Aveiro apresentará ainda um recital de piano com prova de vinhos, teatro inclusivo com apresentações em palco e escolas, uma estreia mundial com a história da música contada por marionetas, e performances de música coral, jazz e ainda folk como o da banda portuguesa Galandum Galundaina.

Promovido pelo CiRAC — Círculo de Recreio, Arte e Cultura de Paços de Brandão, o evento tem direção artística do violinista e pedagogo Augusto Trindade, que, realçando que este “é um dos festivais de música erudita com mais longevidade no país”, reconhece à concretização da iniciativa “desafios cada vez mais exigentes”.

Em declarações à Lusa, esse responsável explica: “Depois de dois anos de pandemia quando as alterações climáticas já eram uma preocupação global, a sociedade é agora novamente agitada pela guerra e pela inflação galopante. Neste cenário, a cultura tenderia a ficar na sombra, mas é precisamente nestes momentos, difíceis e com menos recursos, que mais nos sentimos no dever de promover e difundir projetos de qualidade que podem, por um lado, inspirar jovens músicos e artistas, e, por outro, animar o quotidiano do público em geral, reconfortando-o com as maravilhas da arte”.

O arranque do FIMUV de 2022 dá-se a 01 de outubro com a Orquestra de Jovens de Santa Maria da Feira, sendo o dia seguinte dedicado à atuação do pianista Vasco Dantas no Museu de Lamas, onde o concerto incluirá obras de compositores que o músico considera apropriadas à prova de vinhos como moscatel, espumante e Porto reserva.

Segue-se, no dia 05, um recital no Museu do Papel pelo Quinteto de Sopros do Vale, cujo repertório é focado em compositores portugueses, e, no dia 07, um concerto pelos vencedores do Prémio Jovens Músicos 2022, promovido pela rádio Antena 2.

Os dois espetáculos seguintes são no auditório do CiRAC: dia 08, com jazz pelo pianista Filipe Raposo, a propósito do álbum “Ocre”, e, dia 14, com a folk portuguesa do grupo Galandum Galundaina, que há 25 anos se vem destacando com a música tradicional das Terras de Miranda, no Nordeste Transmontano.

A fadista Sara Correia, por sua vez, estará em palco a 15 de outubro, no Cineteatro António Lamoso, onde irá explorar temas do disco “Do Coração”, nomeado para os Grammy Latinos e vencedor dos Prémios Play na categoria de Melhor Álbum de Fado.

Em parceria com o projeto TransformArte, coordenado pelas divisões de Educação e Ação Social do Município de Santa Maria da Feira, o FIMUV recebe depois duas performances inclusivas: “Singular Margem”, no dia 16, no domínio da dança, e, em estreia absoluta, “E amanhã”, a 23, na vertente do teatro.

O dia 19 está reservado para o recital de jovens talentos laureados nos concursos internacionais Paços’ Premium e Cidade do Fundão, e o dia 20 para a violoncelista Mafalda Santos, num concerto transmitido à distância a partir dos Estados Unidos.

À companhia Marionetas Rui Sousa caberá, então, a 22 de outubro, a estreia de “A Música por um fio”, que, resultando de uma encomenda do FIMUV, aborda a evolução da arte sonora através da história, primeiro no palco da Junta de Freguesia de Paços de Brandão e, depois, em várias escolas do concelho da Feira.

Ainda nesse dia, mas à noite, Pedro Burmester apresentará na Academia obras de Franz Liszt, Fernando Lopes-Graça e Bernardo Sassetti.

Para o encerramento, o FIMUV aposta em dois momentos: no dia 28, a atuação do Grupo Coral do CiRAC, na Igreja dos Passionistas e, a 29, no Grande Auditório do Europarque, a violoncelista letónia Margarita Balanas, acompanhada em obras de Gulda e Brahms pela Orquestra Filarmónica Portuguesa.

Leia Também: Aniceto constrói instrumentos há 40 anos, mas diz que não sabe tocar

Deixe um comentário