Gonçalo M. Tavares, José Luís Peixoto e Ondjaki no Livros a Oeste

 

Interrompido em 2020 devido à pandemia de covid-19, o festival literário regressa este ano sob o tema “Quantas histórias cabem numa história”, ainda que a maioria dos eventos da programação ocorra em formato digital, sendo difundidos através da página da rede social Facebook e do canal do Youtube do município da Lourinhã.

No primeiro dia, Gonçalo M. Tavares e Patrícia Portela vão falar dos seus livros, respetivamente “Breves Notas sobre o Medo” e “Hífen”.

No mesmo dia, Patrícia Portela, Ricardo Fonseca Mota e Pedro Vieira participam na sessão “Histórias Partilhadas”.

No dia 12, o angolano Lopito Feijóo, o moçambicano Amosse Mucavele e a guineense Karyna Gomes vão partilhar histórias, enquanto Ana Bárbara Pedrosa e Tânia Ganho apresentam os seus livros “Palavra do Senhor” e “Apneia”, respetivamente.

No dia 13, o angolano Ondjaki, António Mota e o brasileiro António Torres juntam-se na mesma mesa para partilharem histórias.

Fernando Pinto do Amaral, Miguel Real, investigadores literários, e Rogério Ribeiro, investigador em ciências médicas, vão participar na sessão intitulada “Diagnóstico antecipado – a doença na literatura”.

No dia 14, Ricardo Fonseca Mota e Afonso Cruz falam dos seus livros “Os Pássaros não têm céu” e “O Vício dos Livros”, respetivamente.

O escritor e vocalista dos Mão Morta Adolfo Luxúria Cabral, Rui Eduardo Paes, escritor e crítico de música, e o musicólogo João Carlos Calixto formam um painel para abordarem a relação entre os livros e a música.

O programa termina no dia 15 com os escritores Afonso Cruz, Rui Zink, Mário Zambujal e José Luís Peixoto a partilharem histórias.

Do programa consta a exposição “Retratos de autores portugueses”, de Do Carmo Vieira, artista plástica conhecida por pintar rostos da cultura nacional, como José Saramago, Sophia de Mello Breyner, Agustina Bessa-Luís ou Eugénio de Andrade, alguns dos quais vão estar expostos nesta mostra, patente na Galeria Municipal da Lourinhã.

O festival conta ainda com a leitura de contos, espetáculos e performances teatrais alusivas para assinalar os 400 anos do nascimento de La Fontaine, apresentação de livros para crianças e jovens e feira do livro ‘online’.

Leia Também: Associação Plateia apela a municípios para que invistam em Cultura

Deixe um comentário