Guimarães Jazz volta em novembro com Kathrine Windfeld e Aaron Parks

O festival abre no dia 9 de novembro com a norte-americana Vanguard Jazz Orchestra, fundada em 1966 como Thad Jones/Mel Lewis Orchestra e hoje dirigida por Jim McNeely, enquanto o encerramento do Guimarães Jazz vai estar a cargo também de uma orquestra, a ‘big band’ de Kathrine Windfeld, no dia 18 de novembro, com o guitarrista israelita Gilad Hekselman e o saxofonista norte-americano Immanuel Wilkins.

“O programa de 2023 do festival de jazz de Guimarães é caracterizado, tal como sempre acontece, pelo equilíbrio entre a tradição e a inovação e pela diversidade estilística, geográfica e geracional das propostas e dos músicos que nelas participam. A constatação desta evidência não impede, porém, o reconhecimento de que nesta edição se presta uma atenção particular à cena jazzística nova-iorquina da atualidade e às expressões de tendência experimental”, indicou A Oficina, que organiza, em comunicado.

O contrabaixista Buster Williams vai apresentar-se com a banda Something More, estando também confirmadas presenças de Aaron Parks, do ‘ensemble’ Landline Plus One, de Elliot Sharp, Barry Guy, do septeto New Digs, de Michael Formanek, entre outros artistas.

“O Guimarães Jazz enfrenta um cenário em transformação profunda, uma transformação que se afigura agora não apenas tecnológica ou estética, mas uma verdadeira mudança de puro funcionamento do sistema. Assim, o alinhamento da 32.ª edição pode ser eventualmente considerado mais circunspecto e intelectualmente exigente em termos das suas propostas, mas, tal como sempre aconteceu ao longo da história deste festival, continua a privilegiar o primado da diversidade e da escolha independente”, afirmou o diretor do Guimarães Jazz, Ivo Martins, citado no texto.

Os concertos acontecem todos no Centro Cultural Vila Flor, com exceção da apresentação do projeto entre a Porta-Jazz e o festival, no Centro Internacional das Artes José de Guimarães, no dia 12 de novembro.

Os bilhetes já estão à venda, com a assinatura para todos os concertos a custar 90 euros.

Leia Também: Snarky Puppy voltam com nova pintura, mas o mesmo génio casual

Deixe um comentário