"Há muitas ‘fake news’ porque as pessoas não leem literatura"

“Há muitas ‘fake news’ porque as pessoas não leem literatura”, lamentou a autora de “A Costa dos Murmúrios”, que está em Santander, Espanha, para participar num encontro literário organizado pela Universidade Internacional Menéndez Pelayo (UIMP).

Num encontro com jornalistas, a escritora defendeu o papel da literatura na separação entre “fantasia e realidade” face às ‘fake news’, que, disse, tentam “criar ficção na realidade”.

Os líderes políticos, como o antigo Presidente dos EUA, Donald Trump, “mentem permanentemente porque não sabem ficcionar”, disse.

Lídia Jorge falou também sobre as diferenças entre os escritores portugueses e espanhóis, considerando a escrita portuguesa “mais serena e lenta” e a escrita espanhola “mais exterior e extrovertida”.

Relativamente a Espanha, rejeitou a conceção do filósofo José Ortega y Gasset e a “Espanha invertebrada”.

“A Espanha tem várias vértebras”, afirmou.

E defendeu uma literatura que fale de raízes, algo que não vê nas novas gerações de escritores, porque, na sua leitura, “a nova geração é de viajantes”.

Leia Também: Quatro autores vão representar Portugal na Feira do Livro de Guadalajara

Deixe um comentário