Lisboa acolhe mais de 30 escritores no programa literário Disquiet

Este é um regresso da iniciativa, depois de uma interrupção de dois anos, por razões sanitárias relacionadas com a covid-19.

Entre os participantes, está prevista a presença dos escritores Ondjaki, Ana Margarida de Carvalho, Djaimilia Pereira de Almeida, Patrícia Portela, Patrícia Reis, Teolinda Gersão, Ana Paula Tavares, Jacinto Lucas Pires, Yara Monteiro, Susana Moreira Marques, Matilde Campilho e Rui Cardoso Martins, entre os autores de língua portuguesa.

Da parte norte-americana foram anunciados Tayari Jones, Ben Lerner, Maaza Mengiste, Danielle Evans, Shayla Lawson, Gabriel Bump, T Kira Madden, Katherine Vaz, Richard Zenith e ainda Jennifer Acker, e os editores da revista Granta.

O CNC acrescenta que estão “previstas sessões de trabalho dirigidas por Jensen Beach, Deanne Fitzmaurice, Arthur Flowers, Annie Liontas, Cyriaco Lopez e Terri Witek”.

O programa Disquiet – Programa Literário Internacional “parte do princípio que a imersão numa cultura estrangeira, num ambiente diferente do habitual, e a consequente quebra de rotinas, tendem a estimular a criatividade, abrindo novas perspetivas e novos ângulos de interpretação do mundo que nos rodeia, resultando num indubitável enriquecimento para todos aqueles que nele participam”, lê-se no comunicado do CNC, hoje divulgado.

A iniciativa realiza-se desde 2011, e, este ano, as sessões públicas decorrem essencialmente na zona da Baixa-Chiado da capital portuguesa, designadamente, na sede do CNC, no Teatro São Luiz, no edifício da revista “Brotéria”, na Fundação José Saramago, no Teatro Nacional de São Carlos, no Claustro do Museu de São Roque, no Grémio Literário e na Fundação Luso-Americana de Desenvolvimento, no bairro da Lapa, que apoia a iniciativa.

Após Lisboa, que termina a 08 de julho, realiza-se “imediatamente” uma residência Literária em loulé, no Algarve, (Dis)Quiet Loulé, “durante a qual um grupo mais reduzido de escritores terá oportunidade de escrever e de se conhecer melhor, aproveitando a experiência intensa que viveram durante o programa em Lisboa e em contraponto com a mesma”.

Leia Também: Festival em Bragança comemora centenário do nascimento de Saramago

Deixe um comentário