Lisboa inaugura Passeio Carlos do Carmo no dia 11 de março

Vai ser inaugurado na segunda-feira o Passeio Carlos do Carmo, na cidade de Lisboa, em homenagem ao fadista cuja carreira e música andaram lado a lado a par com a capital, numa homenagem organizada pela autarquia, pelo Museu do Fado e pelas juntas de freguesia de Alcântara e Belém.

O passeio fica localizado zona ribeirinha de Belém, entre o Terreiro das Missas e o Jardim das Docas da Ponte.

Em comunicado, a Câmara Municipal de Lisboa recorda que Carlos do Carmo, ao ser “uma das maiores referências da música portuguesa e do Fado em particular”, desempenhou “um papel da maior relevância na ligação às novas gerações do Fado, estando sempre envolvido na valorização da tradição aliada à inovação”.

Para a autarquia, com uma homenagem na toponímia da cidade, Lisboa “perpetua o nome de Carlos do Carmo na cidade, junto ao rio Tejo, eternizando assim o fadista que tanto contribuiu para a cidade e para o enriquecimento e divulgação da cultura portuguesa, no país e no estrangeiro”.

A cerimónia, que se iniciará às 11h30, contará com um breve concerto de Camané, outro dos nomes grandes do fado, que vai interpretar cinco temas de Carlos do Carmo.

“Estão presentes na cerimónia o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, o vereador da Cultura, Diogo Moura, o presidente da Junta de Freguesia de Alcântara, Davide Amado, o presidente da Junta de Freguesia de Belém, Fernando Ribeiro Rosa, a diretora do Museu do Fado, Sara Pereira, o musicólogo Rui Vieira Nery e representantes da família de Carlos do Carmo”, acrescenta o comunicado.

A morte de Carlos do Carmo marcou a passagem de ano de 2021, com um dos mais importantes e icónicos fadistas da música portuguesa a morrer precisamente no dia 1 de janeiro.

Mas a música ainda não parou e, no dia 17 de março, a Universal vai lançar uma compilação de duetos do fadista, que inclui gravações de músicas com Sérgio Godinho, Camané, Chico Buarque, Marco Rodrigues, Pedro Abrunhosa, Rui Veloso, Sam de Kid, entre outros.

Leia Também: “O melhor dos melhores. Há o fado e depois há o Camané”

Deixe um comentário