Músicas do Mundo prossegue com destaque para bandas brasileira e são-tomense

Os Gilsons, trio criado em 2018, de um filho e dois netos de Gilberto Gil, atuam às 21:00, no castelo de Sines, antecedidos por duas artistas portuguesas, Rita Braga, às 16:30, no Pátio das Artes, e Rita Vian, igualmente no castelo.

Seguir-se-ão os grupos Tinariwen, do povo tuaregue (Mali), às 23:30, e Alright Mela Meets Santoo, com elementos de Paquistão e França.

A banda de culto África Negra, de São Tomé e Príncipe, que começou a tocar antes do 25 de Abril de 1974 em bailes ao ar livre que juntavam as diferentes comunidades locais, descerá ao palco junto à praia, na Avenida Vasco da Gama, às 02:15.

De regresso a Sines, onde estiveram em 2014, mas já sem João Seria, vocalista principal que morreu em maio, o concerto dos África Negra assumirá um tom de homenagem, com músicos da nova geração.  

O fecho da noite caberá a Alogte Oho & His Sounds of Joy, do Gana, às 03:30.

África é a origem de mais de um terço dos artistas convidados para a 23.ª edição do Festival Músicas do Mundo, organizado anualmente pela Câmara Municipal de Sines, sob o lema “Música com espírito de aventura”, e que atrai alguns milhares de pessoas à costa alentejana.

A Guiné-Bissau tem a maior delegação de sempre ao FMM, com Eneida Marta (que tocou na primeira noite, em Porto Covo), Tabanka Djaz (dia 28, 03:30) e Super Mama Djombo (dia 29, 02:15), a que se juntam os África Negra e mais dois grupos lusófonos históricos, Ghorwane (Moçambique, dia 29, 23:30) e Os Tubarões (Cabo Verde, dia 29, 00:45).

Entre 22 a 29 de julho, Porto Covo primeiro e Sines depois pretendem ser “um porto” para artistas mais e menos conhecidos, como destacou o diretor artístico e de produção do FMM, Carlos Seixas.

Vencedor da categoria Melhor Programa Cultural nos últimos Iberian Festival Awards, o Músicas do Mundo oferece ainda uma vasta programação de atividades paralelas, de debates e conversas à já habitual feira do livro e do disco, passando por oficinas, atividades de divulgação científica, ateliês infantis e música para bebés e até visitas aos bastidores do festival.

Leia Também: O fado “está vivo” e não precisa de ser moderno

Deixe um comentário