Pombal cria observatório para levar mais longe literatura infantojuvenil

O projeto surge no contexto do Encontro de Literatura Infantojuvenil Caminhos de Leitura, cuja 20.ª edição decorre entre os dias 22 e 24 de junho, em Pombal, onde serão entregues os primeiros prémios selecionados pelos dez especialistas que fazem parte do Observatório, avança o município.

“Sentimos necessidade de deixar uma marca mais científica no território, através do encontro que realizamos”, explicou à agência Lusa Sónia Fernandes, chefe da Unidade de Cultura da Câmara de Pombal, a propósito da ação da nova estrutura criada. 

O Observatório de Literatura é inspirado no Instituto Interdisciplinar de Leitura da PUC-Rio — iiLer/Cátedra UNESCO de Leitura PUC-Rio, do Brasil, com o qual foi firmada uma parceria. 

“A ideia era muito interessante para desenvolver cá e foi amadurecendo desde a 18.ª edição”, explica a responsável. Agora que o encontro Caminhos de Leitura parte para o 20.º ano, torna-se uma realidade, atribuindo quatro selos distintivos às melhores edições do ano e fomentando “a investigação com suporte científico”.

A intenção é investir no estudo e na partilha, para “aprofundar mais as questões” relacionadas com a literatura infantojuvenil.

Por outro lado, o acordo entre o Observatório de Literatura e o instituto brasileiro representa “uma porta muito grande que se abre para as editoras e autores nacionais”. 

“A ponte que se cria com este projeto vai permitir levar escritores e editoras portuguesas para o Brasil, permitindo o melhor acesso àquele mercado, e o contrário também se vai verificar”, explica a responsável da Unidade de Cultura do município de Pombal.

A partir de Pombal espera-se aproximar Portugal e Brasil nesta área da literatura, assim como outros países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). 

“Até aqui tem sido muito difícil fazer chegar o livro infantojuvenil lá. Sentimos necessidade de conhecer mais, conhecer outros autores”, bem como agilizar canais de comunicação.

“A literatura no Brasil e a nossa estão muito relacionadas. A base é muito idêntica mas não conseguimos ter livros. Mandar vir – ou enviar – livros é arriscado, porque ou não chegam ou ficam muito mais caros”, devido a custos de alfândega. 

O novo projeto traz também uma lufada de ar fresco aos Caminhos de Leitura que, de braço dado como Observatório, vão acontecer renovados este ano. “Queremos novos horizontes, explorando novos temas, mantendo a nossa forma de estar e de receber”, procurando “outra divulgação que, até ao momento, não temos tido”, conclui a responsável.  

Neste primeiro ano, o Observatório de Leitura recebeu na totalidade 61 títulos de 24 editoras e edições de autor. “Acreditamos que para o ano vamos ter muito mais editoras a querer participar e muitos mais títulos a concurso”. 

A essas edições foi atribuído o selo Caminhos de Leitura em quatro categorias: dez prémios “Distinção” aos “dez melhores livros do ano”; 20 prémios “Seleção”, para “livros que não podem faltar em qualquer biblioteca”; um selo “António Torrado – Menção honrosa”, para o livro que se destaca em todas as categorias; e ainda selo Brasil, “livros da distinção do Selo Cátedra 10 — Cátedra da UNESCO para a Leitura da PUC-Rio”.

Os premiados para as três primeiras categorias estão já anunciados, com “Caras”, de João Pedro Mésseder (texto) e Inês Oliveira (ilustração), uma edição da Xerefé Edições, a receber o selo “António Torrado – Menção honrosa”, de destaque em todas as categorias. 

Os prémios são entregues em Pombal, em cerimónia a realizar no dia 23 de junho, no âmbito do 20.º Caminhos de Leitura.

Leia Também: Valter Hugo Mãe entre os 5 finalistas do Prémio Ibérico Álvaro Magalhães

Deixe um comentário