Primeiro festival de banda desenhada da Maia acontece em junho

O Maia BD é uma iniciativa da Câmara Municipal da Maia com a cooperativa editorial A Seita e pretende dar atenção à banda desenhada em três dias de programação, com exposições, uma feira do livro, mesas redondas e encontros com autores, refere a organização em nota de imprensa.

A primeira edição decorrerá de 16 a 18 de junho no Fórum da Maia e, segundo informação na página oficial da autarquia, está confirmada a presença de mais de 20 autores.

Entre eles está o artista francês Georges Bess, de quem foi editado, em 2021, o álbum ‘Drácula’, a partir da obra de Bram Stoker.

Outro dos convidados é Marco Mendes que terá uma exposição dedicada ao livro ‘Juventude’, publicado em 2022 pela A Seita, que desvenda uma sequência narrativa visual, de inspiração biográfica e sem texto.

A exposição de Marco Mendes, apesar de estar incluída no Maia BD, estará patente durante praticamente todo o mês de junho, na biblioteca municipal.

Durante os três dias do festival, estão confirmadas duas outras exposições.

Uma delas passa em retrospetiva a trilogia ‘As Aventuras Completas de Dog Mendonça e PizzaBoy’, de Juan Cavia (desenho) e Santiago Villa (cor), com argumento de Filipe Melo.

Depois de terem sido publicadas em tomos, entre 2010 e 2013, as histórias serão reeditadas este ano num só volume, pela Companhia das Letras.

A outra exposição no Maia BD foca-se em ‘Auto da Barca do Inferno’, uma adaptação de um clássico da literatura portuguesa, de Gil Vicente, por João Miguel Lameiras, com desenho de Joana Afonso, a editar pela Levoir.

Rita Alfaiate, André Lima Araújo, Mosi, Luís Louro, Bernardo Majer, Filipe Abranches e o colombiano Canizales são outros nomes confirmados.

A programação completa será anunciada a 18 de maio na Maia, numa sessão em que serão exibidas as curtas-metragens ‘Ice Merchants’, de João Gonzalez – que foi candidata aos Óscares -, ‘O Lobo Solitário’, de Filipe Melo, e ‘O Homem do Lixo’, de Laura Gonçalves.

Leia Também: Geografia, livros e gastronomia nos 60 anos da morte de Aquilino Ribeiro

Deixe um comentário