Quatro autores vão representar Portugal na Feira do Livro de Guadalajara

A decorrer entre 25 de novembro e 03 de dezembro naquela cidade mexicana, onde Portugal foi o convidado de honra em 2018, o evento deste ano vai decorrer sob o lema “Construindo uma união de culturas” e vai incluir mais de 70 escritores dos 27 países da UE mais a Ucrânia.

Assim, ao lado de Joana Estrela, José Luís Peixoto, Lídia Jorge e Yara Monteiro vão estar escritores como Andrei Kurkov, Colm Toibin, Javier Cercas ou Judith Schalansky, entre muitos outros.

Em comunicado, a organização da Feira do Livro de Guadalajara revelou que a programação deste ano vai incluir ainda espetáculos de música, teatro, cinema, debates, exposições e gastronomia.

“Editores dos 27 países da UE formarão parte de um programa desenhado especialmente para criar laços substantivos e pontes que gerem relações duradouras com editores mexicanos e latino-americanos”, pode ler-se no comunicado da maior feira literária da América Latina.

Joana Estrela nasceu em 1990, cresceu em Penafiel, no distrito do Porto, e estreou-se em livro em 2014, com “Propaganda”, a que se seguiu “Mana”, pela Planeta Tangerina, com o qual venceu o Prémio Internacional de Serpa para Álbum Ilustrado e o prémio para Melhor Ilustração de Livro Infantil no Amadora BD.

José Luís Peixoto nasceu em 1974, na freguesia de Galveias, em Ponte de Sor, no distrito de Portalegre. Um ano depois da estreia, com “Morreste-me”, recebeu, em 2001, o Prémio Literário José Saramago, pelo romance “Nenhum Olhar”, tendo vindo a conquistar diversos galardões desde então.

Nascida em 1946, em Boliqueime, no Algarve, Lídia Jorge estreou-se com a publicação de “O Dia dos Prodígios”, em 1980, um dos livros mais emblemáticos da literatura portuguesa pós-revolução. À autora foram atribuídos alguns dos principais prémios nacionais, alguns deles pelo conjunto da obra, como o Prémio da Latinidade, o Grande Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores ou o Prémio Vergílio Ferreira.

Yara Monteiro nasceu em Angola em 1979 e mudou-se para Portugal quando tinha 2 anos. Assinando obras em prosa e poesia, viu o livro “Essa Dama Bate Bué!” traduzido para múltiplas línguas, entre as quais o inglês, com o qual foi nomeada este ano para o Prémio Literário Internacional de Dublin. Já “Memórias, Aparições, Arritmias” conquistou o prémio literário Glória de Sant’Anna no ano passado.

Leia Também: Jazz no Parque leva Chris Cheek, Mark Turner e Fred Hersch ao Barreiro

Deixe um comentário