Simpósio Internacional de Arte Contemporânea na próxima semana na Guarda

Promovido pelo Museu da Guarda e criado em 2016 “para estimular a proximidade entre artistas e público, promovendo também o envolvimento especial da comunidade educativa”, o SIAC, que vai na quinta edição, tem como mote “Reiniciar, Reinventar, Renascer” e decorrerá “à semelhança das edições anteriores, um pouco por toda a cidade”, refere uma nota do município.

O comunicado destaca as exposições principais do SIAC, que decorre até dia 27, nomeadamente “Sofia Areal em diálogo com Sérgio Pombo”, com inauguração prevista para quarta-feira, na galeria de arte do Teatro Municipal da Guarda e “Prémio Internacional de Artes Plásticas – Cidade da Guarda”, uma mostra com as 22 obras finalistas a concurso “que vão estar expostas no Museu e cujo vencedor será anunciado no encerramento” do simpósio.

Outra exposição, designada “Arte Falsa: Obras Forjadas”, inclui “exemplares da coleção de obras falsas do Instituto da Polícia Judiciária e Ciências Criminais” e contará também com duas conferências sobre o tema.

O espanhol Tomás Guerrero, autor da biografia de José Saramago “O neto do homem mais sábio” apresenta, no dia 18, uma exposição de 30 pranchas de banda desenhada intitulada “Guarda, Aqui há Gato”, que, segundo os promotores do SIAC, “mais tarde darão origem à novela gráfica com o mesmo nome, que o autor criou sobre a cidade ‘mais alta'” do país.

As várias expressões criativas incluídas no programa a que a agência Lusa teve acesso contemplam, para além das exposições, residências artísticas (com destaque para a escultura de Paulo Neves e para a pintura de Cristina Ataíde), recitais de poesia, palestras, cinema, visitas guiadas, arte ao vivo, cursos de formação artística, arte urbana, música e dança contemporâneas, teatro e publicações.

No âmbito do Roteiro Giliano, dedicado ao advogado e poeta Augusto Gil, decorrerão duas visitas encenadas “propondo um passeio pelos locais de Augusto Gil na Guarda”, agendadas para dias 19 e 26, às 11:00.

O SIAC, que “visa desenvolver, na cidade mais alta de Portugal, atividades multidisciplinares com especial incidência na área das artes visuais e plásticas”, aposta “na relação estreita e no acesso direto do público aos artistas e à criação das suas obras”, sustenta o comunicado.

Segundo a nota, a quinta edição do Simpósio Internacional de Arte Contemporânea, embora “ainda condicionada pela atual crise pandémica, vem dar por findo o hiato temporal ocorrido em 2020 e insere-se, naturalmente, na programação da candidatura da Guarda, Capital Europeia da Cultura, 2027”.

Deixe um comentário