The 1975 cancelam concertos no sudeste asiático após polémica na Malásia

A banda The 1975, que protagonizaram um incidente controverso em prol da defesa dos direitos LGBTI+ na Malásia, cancelaram no domingo espetáculos na Indonésia e em Taiwan, depois do vocalista ter demonstrado intenções em desmarcar a presença em países onde a homossexualidade seja criminalizada.

O cancelamento dos concertos surge depois de o governo malaio ter banido a banda de voltar a pisar o seu território, devido a um beijo entre dois membros da banda num festival em Kuala Lumpur, na sexta-feira.

Segundo a BBC, a banda cancelou os concertos na Indonésia e Taiwan “devido às circunstâncias atuais”, mas não elaborou sobre essas circunstâncias em específico. A decisão foi comunicada através das redes sociais do festival em Jacarta que ia acolher os The 1975.

No evento na Malásia, Matt Healy, o vocalista da popular banda de pop rock (que esteve recentemente no Super Bock Super Rock, no Meco), beijou prolongadamente Ross MacDonald, o baixista da banda, depois de um longo e explícito discurso contra as leis anti-LGBTI+ aplicadas no país.

“Cometi um erro. Quando estávamos a marcar concertos, não aprofundei sobre o assunto. Não percebo o ponto de convidar os The 1975 para um país e dizer-nos com quem é que podemos ter sexo”, disse o britânico, numa opinião que acabou por se revelar preponderante para a decisão que afetou os próximos concertos.

Pouco tempo depois, o comité governamental que supervisiona a reprodução e produção artística por estrangeiros no país anunciou a decisão de cancelar o resto de todo o festival, e os músicos ficaram impedidos de voltar à Malásia. Através do Twitter, o ministro das Comunicações, Fahmi Fadzil garantiu que “não haverá compromissos contra quaisquer partes que desafiarem, criticarem ou violarem as leis malaias”.

The 1975 has been banned from Kuala Lumpur, Malaysia after Matty Healy and bandmate Ross MacDonald kissed on-stage during their set at Good Vibes Festival.

Before the kiss, Healy gave a speech on his disappointment in the country’s discrimination against the LGBTQIA+ community. pic.twitter.com/XcHuPHiYr5

— Pop Crave (@PopCrave) July 21, 2023

Desconhecem-se os motivos oficiais que levaram ao cancelamento dos espetáculos. Na Indonésia, um país com a maior população muçulmana no mundo e predominantemente conservador, a homossexualidade não é ilegal, mas a aceitação da comunidade queer ainda é muito ténue (e, aliás, o governo cancelou recentemente um evento LGBTI+ em Jacarta).

Taiwan já está uns passos à frente, com o país a tornar-se na primeira nação asiática a legalizar o casamento homossexual, em 2019.

Na sexta-feira, a agência Reuters acrescentou que, apesar da forma de protesto dos The 1975 ter sido aplaudida no evento e por organizações internacionais, as mesmas organizações de proteção de pessoas queer existentes na Malásia acabaram por criticar Matt Healy, acusando de “ativismo performativo” e de colocar em risco uma comunidade já em perigo.

“Matt Healy tornou sem dúvida a situação pior para malaios queer que vivem aqui, e enfrentam as consequências, porque todos sabemos que os políticos vão usar isto para empurrar a sua agenda”, disse Carmen Rose, uma drag queen malaia, através do Twitter.

Esta não é a primeira vez que os The 1975 surgem no centro de uma polémica por causa de direitos LGBTI+. Em 2019, num concerto nos Emirados Árabes Unidos (outro país que criminaliza atos homossexuais), Healy beijou um fã do sexo masculino, levando a muitas críticas por partes das autoridades governamentais.

Leia Também: Festival cancelado na Malásia depois de beijo homossexual pelos The 1975

Deixe um comentário