Wes Anderson explora obsessão espacial no filme ‘Asteroid City’

“Nunca vi um filme de Wes Anderson em que não desejasse ter participado”, declarou o ator Tom Hanks, que concretizou o sonho de trabalhar com o realizador neste filme de ficção científica, onde interpreta Stanley Zak. “Foi incrível fazer parte disto”. 

Hanks falava numa conferência de imprensa de lançamento do filme, em Los Angeles, na qual esteve presente parte do elenco de luxo reunido por Wes Anderson para ‘Asteroid City’: Jason Schwartzman, Scarlett Johansson, Bryan Cranston, Jeffrey Wright, Rupert Friend, Adrien Brody, Maya Hawke, Stephen Park e Hope Davis. 

O filme conta ainda com Margot Robbie, Steve Carell, Bill Murray, Willem Dafoe, Tilda Swinton, Jeff Goldblum e o músico brasileiro Seu Jorge. 

“Uma das coisas que me toca neste filme é como as interpretações se apoiam umas às outras de uma forma muito notável”, disse Scarlett Johansson. “Compõem uma espécie de bela orquestra”. 

A ação de ‘Asteroid City’ passa-se algures no deserto norte-americano em 1955, durante uma convenção de Observadores Cósmicos e Cadetes Espaciais. 

Tem a excentricidade característica dos filmes de Wes Anderson com uma estética polida e dividida entre cor e preto e branco, porque tudo o que se vê no deserto é apenas o cenário projetado de uma peça de teatro. 

“Estávamos interessados no teatro nova-iorquino durante os anos 50”, disse Wes Anderson na conferência, explicando que escreveu o filme com Roman Coppola partindo da ideia de o centrar no ator Jason Schwartzman, com quem tem um historial longo de colaboração. 

“A história tornou-se uma interação entre um palco a preto e branco em Nova Iorque e um ‘western’ a cores”, descreveu. “Toda a gente representa um ator e o papel que interpretam e os dois misturam-se”. 

A premissa estranha é explicada por Bryan Cranston, que narra os acontecimentos de uma forma muito desapaixonada e quase jornalística. O ator falou dessa complexidade na conferência de imprensa. 

“O que é que isto significa?”, questionou, rindo. “É tão específico e denso com detalhes que por vezes eu tive de ler duas vezes para perceber o que estávamos a fazer”, revelou. “Este é um filme sobre um programa de televisão que está a expor uma peça de teatro. Isso em si mesmo é uma espécie de boneca russa”. 

Além da ciência, dos asteroides e da vida extraterrestre, com um pequeno exame do que foi a obsessão com a exploração espacial nos anos de 1950 nos Estados Unidos, há também um tema de sofrimento e pesar neste filme, algo em que Wes Anderson pega frequentemente. 

“Temos estes marcos nas nossas vidas e, particularmente à medida que vamos envelhecendo, começamos a ver mais mortes”, disse o realizador.

É com a morte que lida o personagem de Jason Schwartzman (Augie Steenbeck), um elemento central na trama. 

“Com o pesar, a minha experiência é que não há uma forma errada de nos sentirmos quando estamos a sofrer”, disse o ator. “É pior ficarmos mal por não sentirmos da mesma forma que todos os outros estão a sentir. Então, sentimos como sentimos, confiem nisso”. 

Scarlett Johansson, que se inspirou na icónica atriz Bettie Davis para dar forma à sua personagem, Midge Campbell, também falou do tema. 

“O que conecta as nossas personagens é a enormidade do sofrimento”, disse a atriz, que contracena sobretudo com Jason Schwartzman no filme. “A minha personagem diz que não quer este sentimento, e como tal simplesmente não vai senti-lo”, continuou. “Esse é o mundo em que ela vive”.

A atriz também frisou o ambiente “vivaz” e “entusiasmante” que se viveu durante a rodagem, feita em Espanha, com momentos em que alguns dos atores iam ao cenário só para verem outros atores a representar. 

“Filmar pode ser um processo muito lento e aborrecido, mas isto foi vívido e brincalhão”, confirmou a atriz Hope Davis (Sandy Borden). “Relembrou-me porque me meti nesta carreira”. 

Tom Hanks mencionou igualmente a “atmosfera muito alegre” das filmagens, mas sublinhou a experiência do trabalho puro e duro com o realizador. 

“O trabalho que fizemos foi incrivelmente focado e não há ninguém que trabalhe mais no duro nisso que o Wes”, disse o ator. “O Wes não sai dali a dizer, ‘ok isto está bom o suficiente'”, contou. 

Algumas cenas tiveram de ser filmadas dezenas de vezes, algo que o ator Jeffrey Wright ilustrou com um exemplo cómico. 

“Há um momento em que a minha mão toca no coldre, vira a aba para cima e agarra a arma. Foram precisos 60 ‘takes'”, contou. “Foram quatro horas”, disse, só para captar o movimento perfeito. 

Estreado inicialmente no festival de Cannes, com boa receção da crítica, ‘Asteroid City’ vai para os cinemas portugueses na próxima quinta-feira, 22 de junho, um dia antes dos Estados Unidos, 23 de junho. É uma produção Focus Features, Indian Paintbrush e American Empirical Pictures.

Leia Também: ‘Fogaréu’ abre Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa

Deixe um comentário